quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Rostos, apenas rostos

                -Rostos e mais rostos...
                       -Comentários de peritos na matéria, à noite na televisão...tentam teorizar sobre o absurdo. Sobre o inexplicável.
            -Crianças com ar incrédulo e assustadas. Ontem, estavam a preparar a próxima lição, talvez numa escola a quilômetros de distância das suas casas, mas tinham uma rotina. Agora, só escutam o borbulhar das ondas e de não terem espaço, nem para pensarem. Quando levantam a cabeça, só observam as estrelas ou as faces assustadas dos pais. Muitos não percebem, porque deixaram os mais velhos para trás e principalmente, as suas casas. Refúgios aonde sentiam que nenhuma bala, os poderia atingir!
              Lembro-me agora, daquele filme de Roberto Benigni, "A vida é bela". Talvez alguns pais tenham tido a sensatez, de descrever esta odisseia, como fazendo parte de um jogo. Quem conseguisse passar este mar, num barco carregado de gente e sem comer, ganhava o desafio proposto. Seriam os heróis!
               O pior é que muitos deles, faltaram-lhes as forças a meio. Outros, quando chegaram ao outro lado, não foram levados em ombros, nem tinham um pódio para os glorificar. Nalguns casos tinham arame farpado pela frente, obstáculos de todas as formas e feitios e a promessa de serem obrigados a voltar à casa de partida!!!
                 A Europa perante uma crise de identidade enorme, não está preparada para receber todo este desespero que atravessa o Mediterrâneo. Está na hora da ONU ajudar a resolver esta questão. Caso contrário, este genocídio terá proporções gigantescas e irá ter um efeito de bola de neve, sobre as consciências de todos os acomodados.
             
Enviar um comentário